Valores

Forçar a aprendizagem do seu filho só causa sofrimento

Forçar a aprendizagem do seu filho só causa sofrimento



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Temos aquela mania feliz de comparar. E exigir o que os outros são capazes de alcançar. Mas a gente não percebe que na aprendizagem cada um segue seu ritmo, e que o importante no final não é o começo, nem mesmo o caminho, mas a meta final.

Um importante filólogo e neurocientista, Francisco Mora, alerta os pais para o erro que cometem ao exigir do filho uma certa 'velocidade' de desenvolvimento. No final das contas, forçar seu filho a aprender só causa sofrimento.

Tudo o que a criança aprende fica ali, não se perde, mesmo quando parece que o aprendizado não valeu a pena. 'Ninguém que aprende algo novo agora terá o mesmo cérebro amanhã', diz Francisco Mora, um famoso neurocientista e professor de filologia.

O cérebro é composto por diferentes áreas. E nem todos aprendem da mesma maneira. Nem todas as crianças têm o mesmo ritmo de aprendizado. A ciência conseguiu descobrir que nem todas as áreas do cérebro estão prontas para aprender ao mesmo tempo e que nenhuma criança tem a mesma taxa de maturação. Mostrou, por exemplo, que o cérebro não está realmente pronto para aprender a ler e escrever antes dos 7 anos.

O pior de tudo é na escola ou em casa, uma criança deve aprender um ritmo que ela não pode alcançar. É como tentar ligar um veículo sem combustível ... uma perda de tempo.

Francisco Mora garante que a única coisa que conseguimos 'apertar' uma criança para aprender quando o cérebro ainda não está pronto é o sofrimento. Estas são as consequências terríveis de tentar forçar o aprendizado de uma criança:

- Frustração. Não há nada mais frustrante do que o que você tenta repetidamente e não consegue. Imagine ser obrigado a dar uma cambalhota em um dia. Você não está pronto para isso e também deve entrar em forma primeiro. Mas não te dão aquele tempo ... tem que ser, agora ... É o que uma criança sente quando lhe é exigido um objetivo que ela não consegue alcançar no tempo que lhe dá.

- Baixa auto-estima. Ao se ver 'incapaz' de ir aonde outras crianças são capazes de ir, a criança vai pensar que é seu problema, que ela 'não é tão habilidosa quanto o resto', e finalmente acabará se sentindo inferior aos outros, o que representa uma verdadeira bomba para sua auto-estima.

- Desapontamento. A chave para o aprendizado pode estar na curiosidade. Se um professor é capaz de despertar a curiosidade sobre algo novo em seus alunos, ele chamará a atenção deles. O filólogo e neurocientista dá um exemplo curioso: 'se uma girafa passa repentinamente atrás de um professor em uma classe, todos vão prestar atenção na girafa, porque é uma novidade que vai despertar imediatamente a curiosidade e, portanto, ela se tornará dona de todos os atenção das crianças. ' Quando uma criança não está preparada para receber certas informações, ou realizar uma determinada tarefa, não conseguirá prestar atenção e, aos poucos, vai perdendo a ilusão de aprender.

- Problemas emocionais. Embora tenhamos a tendência de pensar que o cérebro é racional, isso não é verdade. Na verdade, o cérebro também é o lar de todas as emoções. O cérebro precisa ficar animado para aprender. Sem emoções, não há aprendizagem. Se você forçar seu filho e exigir uma maturidade para a qual ele ainda não está pronto, ele não conseguirá controlar certas emoções que estarão implícitas e certamente chegarão como uma torrente que não pode parar.

- Problemas comportamentais. Às vezes, as crianças com problemas de comportamento na sala de aula são simplesmente desmotivadas. Não se interessam pela aula, não prestam atenção porque já presumiram que não atingirão o objetivo que pretendem.

Nem as crianças que aprendem mais cedo são as mais inteligentes da classe, nem as que aprendem mais devagar são as mais estúpidas. Nem é mais inteligente quem começa a falar mais cedo ou anda com apenas 10 meses. Não importa o ritmo de aprendizagem: importa se a aprendizagem é alcançada no final, como as ferramentas aprendidas no final da jornada são utilizadas.

A solução é através uma mudança radical na concepção de educação, em tratar não um indivíduo como um todo, mas cada criança individualmente, dando atenção especial a cada um de seus potenciais e sua taxa de maturação particular. E, claro, use as ferramentas que motivam e trazem o cérebro de sua 'letargia':

1. Imagens. A neurociência tem mostrado que o cérebro, ao se deparar com uma palestra de um professor, por mais interessante que seja, acaba se desconectando. No entanto, as imagens capturam o interesse de uma criança com muito mais facilidade. A aprendizagem deve ser baseada em imagens, não tanto em palavras.

2. Procure estimular os alunos. A motivação vem das mãos das emoções. Curiosidade também e, com ela, atenção. Para aprender é preciso ficar empolgado e é algo que todos os professores devem levar em consideração no dia a dia.

3. Mais trabalho em equipe. Não apenas pelos benefícios que trazem ao nível dos valores, mas porque o trabalho em equipe estimula o cérebro e todas as áreas de aprendizagem.

4. Use novas tecnologias como aliadas. As novas tecnologias não são inimigas do aprendizado. Na verdade, eles podem ser grandes aliados. As crianças adoram a linguagem visual e interativa das novas tecnologias. Vamos usá-los!

5. Mais esportes e mais jogos. Brincar é um motor de aprendizagem. Esportes também. Você sabe porque? Porque mantêm a criança excitada, animada, divertida e, acima de tudo, atenta.

6. Mais contato com a Natureza. No Japão, os alunos têm uma disciplina obrigatória chamada 'Observação da Natureza'. As crianças saem para o campo com seus cadernos e observam tudo o que veem. Ajuda-os a pensar, tirar conclusões e desenvolver sua capacidade dedutiva. Nada como o trabalho de campo para aprender certos conhecimentos em primeira mão.

7. Descanse bastante. O cérebro precisa descansar. Se uma criança está superestimulada e no final não descansa as horas que deveria, ela não poderá realizar no dia seguinte. Lógico.

Não force seu filho a ler ou escrever com antecedência se ele não estiver pronto. Não exija certas habilidades psicomotoras dele se ele ainda não mostrar a destreza necessária. As habilidades são adquiridas lentamente, mas com segurança. Confie em seu filho e você verá como no final, com o tempo, as sementes darão frutos.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Forçar a aprendizagem do seu filho só causa sofrimento, na categoria Aprendizagem no local.


Vídeo: Dificuldade em atividades de leitura, escrita e construção de palavras? Veja este vídeo! (Agosto 2022).