Ortopedia e traumatologia

Tendinite de pulso, a doença que ataca jogadores infantis


Passar horas sentado em uma poltrona em frente à televisão ou ao computador jogando Fornite, Minecraft ou FIFA tem sérias consequências para a saúde das crianças e pode levar a dores nas costas e o que não é dor nas costas. o viciado em videogames, mais conhecidos como gamers, não conseguem apoiar as costas no encosto devido à adrenalina que o jogo gera, por isso se dobram e se aproximam cada vez mais da tela. E não é a única coisa, estando o tempo todo repetindo os mesmos gestos com a mão, sofrem tendinite do pulso.

Os tendões são um conjunto de fibras de colágeno, pequenos vasos sanguíneos e outros elementos que conectam os músculos aos ossos. Se ocorrer tendinite ou tendinose (que é um processo não inflamatório, mas de tipo mais degenerativo), as fibras de colágeno ficam “desorientadas”, desorientadas, ocorrem alterações vasculares e os nervis nervorum ficam irritados. Tudo isso aumenta a dor, a fraqueza do tendão e facilita sua ruptura.

Inicialmente, a tendinite geralmente melhora com o movimento. À medida que vai piorando, eles também se incomodam em fazer o gesto, causando uma limitação da mobilidade e, por fim, doem constantemente mesmo que a área específica não se mova. Em casos agudos, a dor aumenta mais à noite.

A tendinite ocorre quando o tendão e, às vezes, as áreas próximas ficam inflamadas por diferentes razões, que detalharemos mais tarde. A inflamação é o mecanismo que aciona o corpo para tentar reparar a área danificada.

É importante que ocorra um bom processo inflamatório para que haja uma boa reparação do tendão. Se bloquearmos a inflamação no seu início, nas primeiras 6,7 horas, estaremos alcançando que a qualidade do reparo do tecido não é ideal. O problema da inflamação é que ela se torna crônica com o tempo.

- Sobrecarga devido a gestos muito repetitivos, uso excessivo e pouco descanso, o que gera microtrauma repetitivo no tendão.

- Má execução do movimento ou técnica esportiva em questão. Exemplo: pegada incorreta de uma raquete ou, no nosso caso, ergonomia ruim do computador, excesso de tensão no braço ao clicar ou segurar o mouse, etc.

- Desequilíbrio postural. Às vezes, temos uma falta de coordenação entre um grupo de músculos e seu oposto. Apresentamos mais força, tensão ou rigidez em alguns e falta de atividade em outros, com o que o corpo é forçado a compensar aumentando a tensão ou demanda em diferentes músculos ou tendões.

- Problemas cervicais ou na parte superior das costas, que alteram a musculatura do membro superior.

- Problemas viscerais. Má digestão, refluxo, gases, prisão de ventre ... Uma víscera que não funciona bem, diminui sua vascularização e pode criar reflexos dolorosos em outros lugares distantes.

- Causas metabólicas e má alimentação. A presença de diabetes aumenta muito a probabilidade de desenvolver tendinite, pois o açúcar aumenta a rigidez do colágeno.

- UMA alimentos à base de processados, Farinhas refinadas, gorduras trans, laticínios de baixa qualidade, consumo de enchidos e muita carne vermelha, álcool e carência de vegetais, frutas, peixes e gorduras saudáveis, aumentam a inflamação básica do corpo, tornando-nos mais propensos a muitos transtornos.

- Uso de certos medicamentos. Alguns antibióticos, estatinas ou inibidores da aromatase, podem piorar a qualidade do tendão.

o tendinite do pulso mais frequente é a chamada De Quervain. Aqui, os tendões e bainhas dos músculos separadores e extensores do polegar inflamam.

É muito típico de pessoas que passam muitas horas em frente ao computador, mães que acabam de ter um filho, faxineiras, jardineiras ... Todas as ações que envolvem movimentos repetitivos da mão ou do pulso.

Essa tendinite causa dor ao redor do polegar e de seus músculos, do punho e até do antebraço, além de causar desconforto ao fazer movimentos com o polegar, como segurar ou esticar esses tendões.

Um exercício que incomoda, mas que vai muito bem para alongar e mobilizar os tendões dentro de sua bainha é aquele que podemos fazer nós mesmos, segurando o polegar com o resto dos dedos da mão, colocando o cotovelo em flexão de 90º, acertando a face anterior do antebraço para o nosso lado, e fazendo um movimento do punho de "desvio ulnar" (como se quisesse trazer o dedo mínimo em direção ao solo).

Esse alongamento deve ser feito até sentirmos tensão e vamos mantê-lo por pelo menos alguns minutos. Se o desconforto passar em menos tempo, podemos aumentar um pouco mais o alongamento e manter os outros minutos na nova posição.

Para evitar tendinite crônica, recomendamos fisioterapia e tratamento da osteopatia nos estágios iniciais. Quanto mais tempo essa condição dura, mais estruturas ela envolve, mais fibrose ocorre e mais tempo leva para se recuperar.

O fisioterapeuta fará o diagnóstico para tentar descobrir a origem da tendinite e tratará o pescoço, coluna, diafragma, braço ou sistema visceral do paciente se estiver relacionado a tendinite.

No início serão realizados alongamentos, mobilizações suaves e contrações isométricas do músculo sem forçar (ele se contrai sem nenhum movimento articular), depois passaremos a fazer exercícios isotônicos e acabaremos fazendo exercícios excêntricos na última fase de recuperação (onde o músculo é ativado quando está esticado). Através do tensionamento controlado do tendão, alcançamos a síntese de colágeno.

Quando há muita inflamação, usamos técnicas de drenagem linfática manual, técnicas miofasciais, eletroterapia, e podemos nos ajudar com aparelhos como o INDIBA (uma radiofrequência que nos ajuda a melhorar o tendão tanto na fase aguda quanto na crônica, dependendo de como usamos as diferentes frequências e intensidades e modo resistivo ou capacitivo).

A EPI (eletrólise percutânea intratissue), apesar de ser uma técnica invasiva, também oferece muito bons resultados nas tendinopatias crônicas. Consiste na introdução de uma corrente galvânica no tendão, por meio de uma agulha de acupuntura que ativa a reparação tecidual.

Outra técnica usada em tendinite é CYRIAX ou massagem transversal profunda. Consiste em fazer uma fricção profunda sem creme ou óleo, de forma a não escorregar na pele, perpendicularmente ao tendão, fazendo passagens para um e outro lado deste. É mantido por alguns minutos, de acordo com a tolerância do paciente. Depois disso não colocaremos gelo, pois o que se pretende é favorecer o rearranjo das fibras de colágeno no sentido correto e quebrar aderências.

Este tratamento por um profissional pode ser complementado com algumas orientações a seguir:

- ele Descanso total Não é recomendado, pois a imobilidade atrapalha o funcionamento do sistema linfático, essencial para eliminar as substâncias que se acumulam na área de inflamação e produzem mais rigidez do tecido. Mas o repouso relativo é necessário para melhorar a patologia.

- Carregar pesos deve ser evitado, e execute os movimentos repetidos que causam desconforto tanto quanto possível.

- Os estudos mais recentes sugerem que os antiinflamatórios também não são indicados, (exceto em casos específicos), pois interferem no mecanismo de resolução da inflamação e, embora pareçam acelerar a recuperação, há pior cicatrização das fibras tendíneas.

- EM Quanto a uso de gelo, Ajuda a diminuir a dor, pois diminui a inflamação, mas parece que também interfere (embora menos que os antiinflamatórios), na recuperação das fibras de colágeno, produzindo com o seu uso um tamanho menor das fibras musculares regeneradas.

- Uma prática que não interfere no processo normal de inflamação é o antigo egesso de argila verde ou vermelha. Consiste em misturar argila com água e deixá-las por várias horas na área inflamada. Por cima colocamos um pano e enrolamos com filme transparente.

-Para melhorar o processo inflamatório podemos aucomer gorduras de qualidade(abacate, óleo de semente de primeira prensagem a frio, peixe gordo ...) que contém GLA, DHA, EPA ... e vai produzir lipoxinas, resolvinas, protectinas que ajudam a resolver a inflamação.

- Podemos ajudar a formar colágeno com a suplementação de vitamina C, consumir alimentos que o contenham, ou tomar aminoácidos como glicina ou prolina, presentes na gelatina que é produzida quando a pele é cozida, ossos, tendões ou ligamentos de bovinos ou peixes.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Tendinite de pulso, a doença que ataca jogadores infantis, na categoria Ortopedia e traumatologia presencial.

Vídeo: Tudo o que você precisa saber sobre a tendinite (Outubro 2020).