Jogos

Jogos da nossa infância que devemos ensinar aos nossos filhos


Você se lembra de quando costumava brincar de esconde-esconde, amarelinha ou corda? Já foram outros tempos, passamos o dia na rua com amigos e sem nenhum tipo de tecnologia. Por que não recuperar essas brincadeiras em grupo que tiravam os filhos de casa por um tempo e os faziam ficar ao ar livre? Nós olhamos para trás para falar sobre aqueles jogos da nossa infância que devemos ensinar aos nossos filhos.

Esses jogos tradicionais fortalecem as relações humanas, ensinam o espírito de equipe, estimulam a ajuda mútua e a coordenação. As crianças sentirão a emoção de se esconder, correr, se libertar de uma equipe, avançar no jogo e, no processo, liberarão endorfinas, se sentirão bem, rirão e se divertirão.

Esses jogos já eram jogados por nossos pais, nossos avós, bisavós e tataravós. São jogos nos quais seus filhos podem praticar esportes não programados e permanecerão ativos e afastados do estilo de vida sedentário a que estão expostos com celulares e consoles de videogame.

Vamos relembrar a dinâmica dessas brincadeiras da nossa infância que vocês nem vão lembrar! Você verá como é divertido lembrá-los com sua família! Coloque-os em prática no fim de semana!

1. Amarelinha
Você se lembra quando riscávamos alguns quadrados e números no chão, jogávamos uma pedra em cada quadrado e pulávamos no coxo? Era o jogo da amarelinha que continha mais de um mistério que não conhecíamos então.

Você sabia que o inventor da amarelinha queria refletir no jogo o futuro da própria vida, com nascimento, crescimento, problemas e dificuldades, morte e como objetivo final chegar ao céu? Na verdade, em alguns países eles pintam um primeiro quadrado que precede o número 1 onde escrevem o nome da Terra e um último quadrado após o 7 e o 8 que eles chamam de Céu, onde você pode descansar e apoiar os dois pés.

Para jogar, um quadrado com o número 1 dentro é pintado com giz, depois outro quadrado com 2, outro com 3, tentando torná-los mais ou menos iguais. No quarto andar da amarelinha estão pintadas duas caixas, uma com o número 4 e ao lado outra com 5. A caixa de cima é ocupada por 6 e as duas últimas também são caixas duplas com os números 7 e 8.

O jogo começa jogando uma pequena pedra no quadrado número 1, tentando fazer com que a pedra caia no quadrado sem tocar nas listras externas. Você começa a andar na amarelinha mancando, sem pisar nas listras, mantendo o equilíbrio até chegar ao quarto andar, onde há duas caixas e podemos apoiar os dois pés. Seguimos o número 6 mancando e novamente no 7 e no 8 apoiamos os dois pés. Nesse ponto, devemos retornar ao número 1. Devemos pular e dar a volta sem pisar nas listras e desfazer o mesmo caminho para o número 1, onde nos agacharemos para pegar a pedra sem apoiar o outro pé.

Se não pisamos na linha, continuamos o jogo atirando a pedra no quadrado 2 e repetindo o mesmo. Se a pedra não caísse no quadrado número 2 ou acertasse uma linha, a vez passaria para o próximo jogador. O objetivo é lançar a pedra nas demais praças sucessivamente. Quem terminar a rodada de 8 antes de vencer.

2. O esconderijo inglês
'Um, dois, três, para o esconderijo dos ingleses, sem mover as mãos nem os pés ...' Você se lembra dessa frase? Sim! É o lema do refúgio inglês!

Uma das pessoas terá que ligá-la e ela terá que ficar de frente para a parede. O melhor é que você faça um sorteio oficial com pedaços de papel com seus nomes escritos e “uma mão inocente” que tira um dos papéis. O nome daquele que sair deverá ser colocado voltado para a parede. Os demais participantes ficarão a cerca de 20 metros de distância se tivermos um espaço grande e 10 ou 5 metros se o espaço for menor.

Os jogadores terão que avançar lentamente até aquele que se junta a ele porque vai girar em determinado momento e se descobrirem alguém se movendo, essa pessoa deve voltar ao ponto de partida. Portanto, o objetivo é chegar à parede sem que ninguém se vire e veja alguém se mexer.

Quando o jogo começa, aquele que se junta a ela grita olhando para a parede e cobrindo os olhos com as mãos: Um, dois e três, para o esconderijo dos ingleses, sem mover as mãos ou os pés ”e nesse momento ele se vira para ver se você encontrar alguém se movendo. Se ele vir alguém se movendo, ele o mandará de volta ao ponto de partida para recomeçar. O jogo termina quando todos chegam à parede sem nunca serem vistos se movendo.

3. Jogue corda


Você precisa de uma corda e pelo menos três pessoas para jogar. Dois pegarão a corda em cada extremidade e moverão a corda balançando-a de um lado para o outro, desenhando um 'U' imaginário com os braços ou girando a corda no ar desenhando um 'O' imaginário.

O resto dos jogadores se alinha ao lado de um dos que está movendo a corda para pular por cima. Os jogos de corda são acompanhados por canções. Quando a música começa, começamos a pular um por um. O que você tem que fazer é pular, sair e voltar para a fila de jogadores. Se o jogador que pula pisa na corda ou tropeça nela, ele terá que parar de pular e começar a mover a corda, liberando um dos dois jogadores que está acertando.

4. Pés parados
Você tem que jogar com pelo menos três pessoas, mas é melhor jogar com cinco ou mais. Um de vocês tem que ficar no centro e vai jogar a bola gritando o nome de um dos jogadores. Então, o jogador nomeado tem que pegar a bola correndo e os outros têm que correr.

Quando o jogador está com a bola em sua posse, ele deve gritar: Pés parados! Nesse momento, o resto dos jogadores tem que ficar completamente onde estão.

O jogador com a bola salta três vezes em direção a um dos jogadores, o mais próximo dele, e lança a bola para ele. Se um determinado jogador o acerta, ele deve marcar uma falta e se ele não lhe dá quem deve marcar a falta é ele mesmo por não ter acertado. Na terceira falta, qualquer jogador é eliminado. O jogo termina quando todos forem eliminados e apenas um jogador permanecer.

5. O resgate
Você precisa de pelo menos três pessoas para jogar resgate, mas será mais divertido se você tocar cerca de dez pessoas. Você precisa de muito espaço para jogar porque você tem que correr. Haverá uma pessoa com o papel de artilheiro que terá que correr atrás dos outros até pegá-los pela camisa. Uma vez capturado, o jogador se torna a vítima e será transferido para 'casa'.

A 'casa' é geralmente um banco ou poste de luz onde você terá que sentar com a mão estendida até que alguém venha para salvá-lo (tocando sua mão) ou até que o perseguidor traga todos os outros para a casa. Se você trouxer outro parceiro, o outro parceiro terá que segurar a mão do primeiro e assim fazer uma corrente humana. Se um dos participantes ainda livre tocar o último na corrente na mão, ele os libera todos. E quem quer que ganhe a liga tem que começar a pegar todo mundo de novo. O jogo acaba quando você tiver trazido todos para "casa".

6. Corrida de bolsas
Os jogadores têm que colocar ambas as pernas nos sacos e segurá-los com as mãos. Comece a corrida como qualquer corrida normal com alguém começando. Os jogadores devem atingir a meta saltando sobre os sacos. Não é permitido agarrar ou empurrar os outros participantes. Quem chegar primeiro à meta vencerá.

Existe uma variante muito divertida de corrida de saco que ocorre em pares. Os jogadores formam pares e têm os tornozelos amarrados, por isso têm problemas para correr. Os jogadores devem atingir a meta saltando ou conforme podem avançar, tentando se manter coordenados. Não é permitido agarrar ou empurrar os outros participantes.

Todos esses jogos tradicionais são hilários. Incentive-se a praticá-los, pois além de fazer atividade física e se divertir, você os estará ajudando a continuar a se transmitir de geração em geração.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Jogos da nossa infância que devemos ensinar aos nossos filhos, na categoria Jogos no Site.

Vídeo: Padre Paulo Ricardo fala sobre a festa do Halloween (Outubro 2020).