Ortopedia e traumatologia

Como as lesões nas costas na infância são tratadas


No Guiainfantil.com Dizemos quais são os tratamentos a seguir para as lesões nas costas mais comuns na infância: espondilite, cifose, lordose e escoliose.

Orientaremos como detectá-los a tempo, pois antes que a criança sinta dores e desconfortos nas costas, a premissa da prevenção e do cuidado precoce são fundamentais.

1. Como tratar a espondilite anquilosante e a espondilolistese

Em geral, requer apenas tratamento sintomático como analgésicos ou antiinflamatórios e / ou cinta tipo órtese lombar que suporte bem a região. Dependendo da fisionomia da criança, eles podem carregar baleias para maior apoio e acomodação na medida de sua capacidade lombar, por isso esses pacientes devem ser atendidos por um técnico ortopédico qualificado que mede e adapta a órtese mais adequada à pessoa. E apenas muito raramente a cirurgia requer cirurgia para unir as duas partes da vértebra.

Como detectar isso?
Os pais começam a perceber esta patologia quando a criança não anda completamente ereta, mas fica ligeiramente fletida na região lombar, quando há uma claudicação não relacionada à perda de um membro, quando nossos filhos nos alertam da dor que sofrem. esta área e não remite com medicação e é recorrente mesmo que em repouso.

2. Como tratar a cifose

O tratamento depende do grau de curvatura: nos casos leves é tratada com fisioterapia de alongamento e aparelho ortopédico corretivo que ajuda a corrigir a postura. Em casos mais graves com espartilhos especiais e apenas os casos muito graves podem exigir cirurgia corretiva.

Uma cinta ortopédica pode prevenir o agravamento da cifose e apoiar as costas da pessoa enquanto ela cresce, mas não pode consertar permanentemente a cifose. Se um espartilho for necessário, o cirurgião ortopédico discutirá com a criança e seus pais que tipo de espartilho é melhor para ela. Alguns tipos de colete são usados ​​apenas à noite, enquanto outros são projetados para uso diurno e noturno.

Os ortopedistas, junto com os médicos, estão constantemente procurando maneiras de melhorar o design dos espartilhos infantis.s. Portanto, os espartilhos ortopédicos estão se tornando mais leves, mais confortáveis ​​e mais fáceis de usar. Se um espartilho for necessário, como o espartilho de cisne, é importante que seja usado corretamente, ou não funcionará como deveria. Quando a coluna para de crescer, a cifose provavelmente deixará de causar problemas e a necessidade de uma cinta não será mais necessária.

3. Como tratar a lordose

Vamos olhar para uma criança que tem uma lordose marcada, quando ela está deitada de costas em uma superfície dura, ela mostra um espaço entre a parte inferior das costas e a superfície na qual está deitada.

Se a curva lordótica é flexível, ou seja, retorna ao seu formato normal quando a criança se inclina para frente, é um sinal de mínima importância médica; mas se a curva for fixa, uma avaliação médica deve ser feita. O pediatra vai nos orientar sobre os exercícios que devemos realizar para aumentar a flexibilidade da região pélvica e, em alguns casos, até diminuir a curvatura.

É muito importante ressaltar nesta seção que o corpo das crianças, principalmente entre 0 e 5 anos de idade, sofre muitas alterações físicas que são normais e não devem causar patologias futuras. Por exemplo, euCrianças com idades entre 12 e 36 meses têm uma lordose lombar pronunciada e a barriga proeminente que vai se regular com o crescimento.

4. Como tratar a escoliose

Os tratamentos da escoliose são diversos e dependem principalmente da curvatura e rotação das vértebras. O mais comum é o espartilho ortopédico, que são vários tipos e o pediatra junto com o traumatologista é quem deve avaliar e recomendar o melhor tipo de espartilho. Nomearemos os principais tipos de espartilhos termoformados personalizados, como: Cheneau, Milwaukee, Málaga, Boston, etc.

A evolução desses corsets no nível infantil é muito ampla, No passado, espartilhos de gesso eram usados ​​e tinham que ser trocados a cada 6 meses, isso era obsoleto e ineficaz, e evoluiu para interiores termoformados, até hoje onde se verificou a melhor evolução da criança e a correção ou frenagem da escoliose com espartilhos corretivos dinâmicos que 'crescem' com o paciente, por exemplo o espartilho Spinecor, tratamento muito mais aceito pelas crianças por oferecer liberdade quase total de movimentos, permitindo à criança continuar praticando esportes e participando das atividades normais do dia a dia.

Além disso, este tipo de espartilho é muito discreto por baixo da roupa, melhorando a sua autoimagem (elemento a ter em conta nestas idades em que a crueldade infantil está a aumentar e a necessidade de pertencer a um grupo na escola é tão valorizada).

O último recurso do tratamento da escoliose é a cirurgia, sendo realizada hoje em 1 em 23 pacientes e somente quando a escoliose é muito grave, quando se agrava muito rapidamente ou quando há deformidade muito importante do tronco infantil.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Como as lesões nas costas na infância são tratadas, na categoria Ortopedia e traumatologia presencial.

Vídeo: Encontro com Especialistas - Câncer de Pele (Outubro 2020).