Sejam mães e pais

Somos pais e não juízes ou advogados nas discussões de nossos filhos


O que fazer quando seus filhos discutem? A favor ou contra quem posicionar? Em primeiro lugar, temos que lembrar que somos pais e não juízes ou advogados nas discussões de nossos filhosPor isso, talvez o melhor seja deixarmo-nos levar pelas nossas emoções. Eu faço isso e, por enquanto, devo dizer que as coisas estão indo bem e que até o número de discussões diárias caiu. A seguir contarei meu truque e convido você a colocá-lo em prática.

Certamente isso acontece com você também, como pai ou mãe, você tem a sensação de estar continuamente fazendo justiça aos seus filhos. Esta é uma das "funções" que os pais e as mães devem assumir. Geralmente ocorre quando temos dois ou mais filhos, e eles discutem ou brigam com frequência. O sentimento que sempre fica é de dúvida: se você foi justo, se a raiva sempre recai sobre ele, se fui excessivo nas consequências ou falhei, se usei um tom apropriado ou fui longe demais. (Quando digo discutir ou brigar falo de forma moderada ou proporcional, infelizmente algo normal entre irmãos).

Partindo do princípio de que, como pedagoga, entendo a família como um sistema (um conjunto de elementos relacionados entre si), considero normal e necessário que os irmãos, à medida que envelhecem, provoquem essa tensão para encontrar o seu lugar no próprio sistema família.

Às vezes, essa busca por espaço nos torna os pais julgadores de suas discussões, e Devemos lembrar que não somos, somos pais e às vezes os injustos podem ser os mais justos. Dentre as reclamações que costumo receber dos pais com quem trabalho, a mais comum é 'Não suporto que eles briguem ou batam um no outro'. Em suma, todos nós que tivemos irmãos em algum momento o fizemos, fortuitamente ou provocando. Ainda me lembro da minha mãe me contando, sobre a relação com a minha irmã mais velha, 'eles não podem ficar juntos, nem separados' ou seja, estávamos nos procurando para discutir.

Descrevo uma situação para ver se parece familiar. Você está calmo na sala de sua casa, e um de seus filhos chega soluçando e diz que seu irmão mais velho deu a ele quatro batatas. Automaticamente, tendo apenas essa informação, nosso cérebro nos dá a ordem de repreender ou falar com o outro irmão. Mas quando você vai, ele está chorando dizendo que jogou a camisa e o insultou, ou seja, ele acrescenta novas informações que em pouco tempo você tem que tomar uma decisão justa.

As crianças esperam que você seja justo com a situação, já que a injustiça é uma das piores coisas que uma pessoa pode suportar. Portanto, você se vê com esses fatos, sem tempo para deliberar e sem um promotor ou advogado que possa ajudá-lo, você só tem que fazer justiça. Você calibra o dano de cada um, e seu cérebro tende para a solução salomônica, que é o ato de punir os dois. É justo, é verdade, mas você está sendo justo? Essas são situações difíceis de administrar como pais, mas talvez surja uma oportunidade de melhoria.

Proponho uma nova opção que comecei a praticar e, por enquanto, funciona bem. Baseia-se em não ter que fazer justiça com base no motivo dos eventos, mas com base nas minhas emoções e no dano emocional que possa ter ocorrido.

Em primeiro lugar, expliquei aos meus filhos que quando vierem me contar sobre o problema de por que bateram ou discutiram, não serei justo, no sentido de justiça que eles conhecem, mas que, como pai, me posicionarei com aquele que emocionalmente me causou naquele momento mais tristeza ou dor, ou seja, ao que emocionalmente me levaria a defendê-lo. Isso não significa que você sempre se colocará a favor dos menores, porque emocionalmente pode afetá-los mais, mas depende do nível emocional que você tem e é assim que você age. A primeira vez que fiz isso foi ótimo e, até agora, com seus altos e baixos, tem sido muito bom para mim.

A primeira vez que me lembro é que o Marcos, de 12 anos, veio me contar que Adriana, de 8 anos, havia batido nele e empurrado. Ela veio me buscar para repreendê-la, mas quando fui repreender Adriana, ela me disse com lágrimas nos olhos que tinha feito isso porque Marcos havia dito a ela que não a queria como irmã.

Isso me ajudou a me posicionar ao lado de Adriana e dei a conhecer ao Marcos. Qualquer um pode tolerar que você jogue sua camisa e seja insultada, mas é mais triste quando seu irmão mais velho diz que não a ama como uma irmã. Emocionalmente, a situação da minha filha tinha me causado mais dor e tristeza e eu sentia mais empatia por ela. Marcos ficou chateado porque queria justiça, Adriana se sentiu bem e eu me senti melhor, porque puxei o instinto da emoção.

A partir desse momento, quando algo acontece, avalio meu impacto emocional e me coloco do lado com o que mais tenho empatia. Eles sabem disso e eu acho que cada vez eles discutem menos ou me falam menos, já que nunca saberão como ficarei emocionalmente naquele dia para agir.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Somos pais e não juízes ou advogados nas discussões de nossos filhos, na categoria Ser mães e pais no local.

Vídeo: PROMOTOR AGRIDE ADVOGADO EM PLENÁRIO (Outubro 2020).