Hiperatividade e déficit de atenção

O perigo de não diagnosticar TDAH em crianças o mais rápido possível


Embora hoje o diagnóstico de TDAH seja cada vez mais aceito pela sociedade e pelas famílias, ainda existem casos que resistem a receber esse diagnóstico por diversos motivos. Mas você já se perguntou o que as consequências de não diagnosticar TDAH em crianças o mais rápido possível? Vemos alguns dos perigos mais comuns em que incorremos ao adiar esse diagnóstico.

Analisamos uma a uma cada uma das possíveis consequências que a falta de diagnóstico pode acarretar nas crianças.

1. Diminuição do desempenho acadêmico ou fracasso escolar

Crianças com TDAH costumam apresentar características específicas, em nível neurológico, como déficit de atenção, impulsividade ou mesmo hiperatividade. Essas dificuldades afetam tanto a esfera pessoal quanto a acadêmica.

Por exemplo, são crianças que demoram a fazer os deveres de casa porque se confundem constantemente ou, pelo contrário, não o fazem porque se esquecem de levar os livros para casa. Isso também os afeta durante os exames. Geralmente são crianças que não têm tempo para terminar o exame no tempo estipulado ou, pelo contrário, terminam em primeiro porque devido à impulsividade, pulam uma seção sem perceber. Tudo isso faz com que as notas comecem a cair e, como consequência, comece a diminuir seu interesse e motivação para estudar.

Portanto, uma das consequências que mais observamos na consulta é que essas crianças rebaixam suas notas, mas não por falta de capacidade da criança, mas sim por falta de medidas dentro da sala de aula que possam compensar as necessidades dessas crianças. Então, nem é preciso dizer, mas um bom diagnóstico precoce nos permitirá tomar as medidas adequadas, tanto na sala de aula quanto em casa, para melhorar o planejamento e o desempenho escolar da criança.

2. Dificuldades nas relações sociais

Devido à sua impulsividade, as crianças com TDAH muitas vezes não respeitam sua vez de falar ou de jogar ou mesmo trapacear para atingir o objetivo do jogo (ou a recompensa) o mais rápido possível.

Esses comportamentos não são compreendidos por outras crianças e, às vezes, elas tendem a rejeitá-los nos jogos. Portanto, outras consequências de não ter um diagnóstico de TDAH, no caso de sofrê-lo, é o dificuldade que eles têm para manter laços de amizade com outras crianças ou que outros colegas possam entender que o comportamento do amigo faz parte de suas dificuldades, bem como aprender certas maneiras de ajudá-lo.

3. Baixa autoestima

Sua impulsividade e hiperatividade fazem com que essas crianças sejam punidas e repreendidas por seu comportamento com mais frequência. Por exemplo, uma criança com TDAH que tem que esperar muito tempo na sala de espera do médico pode começar a correr ou mover-se excessivamente pela sala. A mãe ou o pai irão continuamente chamar a atenção para ele, ficar com raiva dele ou até mesmo puni-lo.

Em alguns casos, eles podem acabar expressando esse desconforto por meio alguns sintomas relacionados à depressão ou por meio de comportamentos perturbadores e conflitantes (desafio à autoridade, desobediência, etc.).

4. Risco de abuso de álcool e drogas

Essas crianças trabalham muito bem com recompensas contingentes (automáticas), pois uma de suas dificuldades é a impulsividade e elas têm dificuldade em esperar para obter o que desejam. Portanto, outra das consequências de não receber diagnóstico e tratamento precoces é que, na adolescência, muitos recorrem ao uso de drogas como forma de autorregulação.

Esta é uma forma de aliviar o desconforto de forma rápida e automática e, portanto, uma má estratégia de regulação emocional. Por exemplo, uma informação importante sobre a relação entre TDAH e uso de substâncias pode ser observada no estudo de Isorna et al. (2018). Este estudo revela que o percentual de adolescentes fumantes foi mais que o dobro entre aqueles com TDAH do que entre aqueles sem o transtorno (13,3% vs. 6,3%).

5. Subvalorização no local de trabalho

Pessoas com TDAH apresentam dificuldades não apenas na infância e adolescência, mas também na vida adulta. Um adulto com TDAH que não foi diagnosticado na infância e, portanto, também não foi tratado, tende a ter acesso a empregos mais precários, a mudar de emprego com mais frequência ou até, eles se comprometem com tarefas que mais tarde deixam de realizar, seja devido à desatenção ou impulsividade derivada de um planejamento inadequado.

Em suma, está comprovado que o diagnóstico e o tratamento precoces do TDAH reduzem esses 'perigos', proporcionando benefícios em todas as áreas de sua vida (emocional, social e profissional).

Referências bibliográficas

  • Federação Espanhola de Associações de Assistência ao Déficit de Atenção e Hiperatividade (FEAADAH).
  • Isorna, M., Golpe, S., Otero, M., Ayesta, J. & Gómez, P. Uso de tabaco e autoestima em adolescentes com e sem Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): propostas para uma melhor prevenção . Spanish Journal of Drug Dependence, 43 (4) 69-82.

Escrito por Melina Núñez Martín. Psicólogo Geral de Saúde

Você pode ler mais artigos semelhantes a O perigo de não diagnosticar TDAH em crianças o mais rápido possível, na categoria de hiperatividade e déficit de atenção no local.

Vídeo: Webpalestra - Dificuldades de aprendizagem e o transtorno específico de aprendizagem (Outubro 2020).