Doenças - desconforto

Luto perinatal: presumindo a morte quando você espera a vida de um bebê


Assunto tabu onde existem, a perda de um bebê, ainda mais se ainda não tivesse nascido. Como é difícil assumir a morte, quando na realidade esperamos a vida. Infelizmente, isso ocorre mais do que pensamos e tem nome: luto perinatal.

Na Espanha, uma em cada quatro gestações não chega ao termo, ou seja, 25% das gestações se perdem em algum momento da gestação. A maioria delas nas primeiras semanas de gravidez, antes da décima segunda semana, mas também nas últimas semanas, no segundo trimestre e mesmo a termo.

A sociedade desvaloriza a perda quando ela ocorre com poucas semanas de gravidez, mas a realidade é que é uma perda e, portanto, faz-se um luto, que como o próprio nome indica é doloroso, e devemos permitir e respeitar isso.

Como disse no início, é um assunto tabu, portanto, muitas vezes não temos consciência de que isso pode acontecer. Como parteira, procuro sensibilizar especialmente nas redes sociais para este assunto, mas também no meu trabalho. É fundamental que as mulheres conheçam essa realidade, que no início da gravidez saibam que existe a possibilidade de sua gravidez não ter acabado, pelo menos com um bebê vivo, pois quando se contempla a possibilidade disso acontecer e se entende que pode acontecer, vive-se de certa forma muito diferente.

As parteiras que acompanham o parto no domicílio, em uma das visitas à família no domicílio, falam com elas sobre isso, sobre a morte perinatal, a qualquer momento da gestação, até mesmo no próprio parto. Às vezes também acontece e não apenas estar em um hospital pode "consertar" qualquer complicação. É uma realidade muito dura, mas devemos estar cientes disso. No entanto, ao longo de minha formação em saúde pública, nunca ouvi uma parteira falar sobre isso em suas aulas de parto, mas já enfrentei o luto perinatal em muitas ocasiões, a perda de um filho .

É importante saber que, nessas situações, devemos ajudar a elaborar o duelo da maneira mais saudável possível, que os especialistas recomendam dizer adeus ao bebê. Dependendo das semanas de gestação e do caso específico, você pode ou não conseguir se despedir, mas sempre existe uma maneira de fazê-lo, mesmo que seja simbólica.

Quando a perda ocorre em semanas avançadas de gestação, os pais devem ser oferecidos para ver o bebê, tocá-lo, levar lembranças (talvez uma mecha de cabelo ou as impressões de suas mãos ou pés) e tirar fotos, se ele estiver. família quer. Tudo isso ajudará a elaborar o luto, mas essa informação é presumida muito melhor se for conhecida com antecedência do que se for dada a você em um momento de choque, como receber a notícia de que seu bebê faleceu.

A sociedade de hoje trata a morte como um assunto tabu. Antigamente nossos avós e nossos pais vigiavam os mortos em casa e tudo isso parecia normal; Hoje em dia, há quem ao ouvir isso pareça macabro, pois se perdeu a naturalidade da morte e é muito difícil presumir que existe quando a vida é esperada.

São muitos os grupos de apoio, nos quais podemos encontrar psicólogos, famílias que já passaram por isso, parteiras, enfermeiras ... etc. Grupos de apoio que buscam tornar visível o luto perinatal e, principalmente, ajudar as famílias nestes momentos difíceis.

O que aprendi durante meu treinamento é que Quando você não sabe o que dizer, o silêncio vale muito mais. Que, nesses acompanhamentos, às vezes sendo, estender a mão ou dar um abraço é o suficiente. Devemos ter muito cuidado com o que falamos a essas famílias, pois as palavras ficam gravadas para sempre. Muitas vezes ouvimos frases como 'você é muito jovem', 'você vai ter outro', 'vai passar', 'não chore', 'seja forte', 'você deveria ter ido ao hospital antes' ... Todas muito erradas.

Quando não sabemos o que dizer, nada acontece, podemos simplesmente dizer: 'a verdade é que não sei o que dizer a você, sinto muito', 'posso estar com você se precisar' ou 'sinto muito pelo que aconteceu com você'.

O luto é um processo adaptativo normal diante da perda. É muito estressante, inesperado e inimaginável na maioria das vezes. Além disso, acarreta a perda de expectativas, sonhos, projeções futuras, etc. Deve-se levar em consideração que a dor não é proporcional à idade gestacional e nem à idade do bebê.

Obrigado por me deixar tornar este problema visível, algo que considero muito necessário, embora seja muito difícil!

Você pode ler mais artigos semelhantes a Luto perinatal: presumindo a morte quando você espera a vida de um bebê, na categoria de Doenças - incômodos no local.

Vídeo: O BRASIL CHORA! ATRIZ MARIANA RIOS DA GLOBO PERDE SEU BEBÊ.. WILLIAM BONNER PODE TER FIM. (Outubro 2020).