Vacinas

A importância das vacinas na volta às aulas


Durante a gravidez, o feto adquire certas defesas, através da placenta, para que possa se defender de algumas doenças no nascimento, sendo seu sistema imunológico fraco e subdesenvolvido. Por meio do colostro, o primeiro leite que sai dos seios de sua mãe, o pequeno receberá milhões de anticorpos, o que lhe permitirá ficar afastado de muitas doenças infecciosas por um tempo. Mas existem doenças muito contagiosas que merecem fortalecer ainda mais suas defesas, pois podem trazer múltiplas complicações e até a morte, daí a importância das vacinas desde o nascimento e, claro, de volta às aulas.

No ano de 1796, o médico britânico Edward Jenner, inventou a primeira vacina da história. Era contra uma doença chamada varíola e, a partir desse momento, foi iniciada a vacinação para prevenir doenças.

As vacinas são uma preparação biológica de microrganismos, sejam vírus ou bactérias, mortos ou atenuados, ou derivados deles, que são administrados por via oral, subcutânea ou intramuscular, para produzir ou gerar uma resposta do sistema imunológico contra esses microrganismos.

Na realidade, o objetivo das vacinas é fazer o sistema imunológico acreditar que está sendo atacado por um determinado microrganismo, que gera uma resposta de defesa, criando anticorpos contra aquele agente e criando uma memória imunológica que sempre permite que o agressor seja reconhecido e erradicado.

As vacinas se tornaram uma das invenções mais importantes da humanidade, pois graças a eles, eles foram capazes de erradicar certas doenças mundiais, como a varíola. A importância das vacinas é tão grande que seus benefícios para a saúde não têm limites, sendo capazes de erradicar doenças que podem causar grandes epidemias, sequelas e até a morte.

A poliomielite e o sarampo estão quase erradicados e doenças como difteria, tétano, tosse convulsa, hepatite B e meningite meningocócica e hemófila foram controladas. As vacinas salvaram muitas vidas e beneficiaram tanto vacinados como não vacinados, que são suscetíveis a essas doenças por estarem no ambiente da criança doente (isso é chamado de imunidade de rebanho ou de grupo, e é conseguido com um Cobertura vacinal de 95%).

As vacinas salvaram tantas vidas que nenhum medicamento se compara a elas, Portanto, vacinar a nós mesmos e aos nossos filhos é uma forma responsável de atuar contra tantas doenças que podem causar a morte e também evitamos o aparecimento de doenças já erradicadas no mundo todo.

A questão das vacinas tem se tornado um assunto polêmico nos últimos tempos, uma vez que elas foram julgadas como a causa de doenças ou condições, como autismo, por exemplo, mas na realidade isso NÃO é comprovado cientificamente, então para meu pais no escritório, eu os recomendo fortemente. Estamos prevenindo doenças !!!!

Durante os primeiros anos de vida, as crianças podem adoecer com frequência, porque seu sistema imunológico não está bem desenvolvido e quando ingressam no jardim de infância ou na escola, as crianças podem ser portadoras de doenças, principalmente doenças contagiosas, como a difteria , tosse convulsa, sarampo, caxumba, rubéola, gripe ou parainfluenza e outros, portanto, é imperativo e necessário que recebam as vacinas antes de começarem a estudar.

Muitas escolas solicitam como exigência, antes do início das aulas, a revisão pelo pediatra, verificação laboratorial e atualização do calendário vacinal. Quando vão ao meu consultório, faço um exame físico exaustivo para verificar se a criança está bem de saúde, estatura corporal e desenvolvimento psicomotor e emito "o Atestado de criança sã", verifico o seu laboratório, fazendo as devidas indicações, e Colocam as vacinas que são necessárias de acordo com a idade, para garantir a prevenção de doenças dentro da instituição.

A imunização com vacinas não garante 100% de não adoecer, mas se acontecer com eles, será uma doença muito mais branda e descomplicada, que põe em risco a vida das crianças, por isso é necessário ter um boletim de vacinação atualizado. Além disso, como pediatra, também recomendo:

- Não leve crianças à escola em caso de apresentarem doença infecciosa ou simplesmente febre.

- Lave as mãos com água e sabão com freqüência, tanto em casa quanto na escola.

- E ensinar as crianças a tossir na altura do antebraço, é mais seguro evitar a transmissão de doenças, quando o fazem na altura das mãos.

Você pode ler mais artigos semelhantes a A importância das vacinas na volta às aulas, na categoria Vacinas no local.

Vídeo: A IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO. com Drauzio Varella (Outubro 2020).