Problemas de fertilidade

Doenças sexualmente transmissíveis que podem afetar a fertilidade de um casal


Atualmente, mais de 800.000 casais espanhóis sofrem de problemas de infertilidade por diversos motivos, incluindo alterações no ciclo menstrual ou na qualidade do sêmen, idade avançada, excesso de peso, endometriose ou menopausa precoce, entre outros. Porém, uma das razões fundamentais para a infertilidade são Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) que tendem a se manifestar em pessoas mais jovens devido a razões como sexo desprotegido e ter múltiplos parceiros sexuais previamente infectados.

Algumas dessas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como clamídia, gonorréia, sífilis, tricomoníase e vaginose bacteriana respondem a tratamentos médicos, no entanto, existem outras doenças mais graves causadas por vírus como herpes genital, hepatite B ou HIV.

Especificamente, as duas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) que afetam a infertilidade são a gonorréia, que vem da bactéria Neisseria Gonorrhoeae, e a clamídia, que é produzida pela bactéria Chlamydia Trachomatis.

Essas infecções são responsáveis ​​por 15% da infertilidade em homens, pois afetam diretamente o trato seminal, os testículos e sua capacidade de produzir espermatozoides saudáveis. Consequentemente, isso afeta o número de espermatozoides produzidos pelo homem, a mobilidade, a morfologia e até a integridade de seu DNA.

Quanto às mulheres, se essas doenças sexualmente transmissíveis (DST) não receberem tratamento adequado e precoce, podem criar e levar à doença inflamatória pélvica (DIP). É uma infecção que afeta principalmente o útero, as trompas de Falópio ou os ovários, causando uma inflamação crônica dos mesmos que obstrui a passagem do óvulo para o útero e causando menor mobilidade dos espermatozoides.

A razão pela qual a taxa dessas doenças é muito alta na sociedade de hoje é porque elas geralmente não apresentam sintomas claros, por isso recomendamos a realização de testes como medida preventiva para detectá-las precocemente.

No entanto, existem sinais que podem servir de motivo de alarme para homens e mulheres. Em relação ao sexo masculino, esses sinais podem ser identificados por secreção de pus da uretra, inchaço ou vermelhidão na abertura do pênis, dor e inchaço nos testículos, necessidade de urinar com mais frequência do que o habitual, dor durante as relações sexuais e / ou sensações constantes de queimação ao urinar.

E no caso das mulheres, eles são revelados por mau odor vaginal, dor abdominal ou pélvica, aumento do corrimento vaginal, corrimento amarelado anormal, dor ao fazer sexo, micção frequente e dolorosa e sangramento entre os períodos menstruais.

Ambas as doenças, clamídia e gonorreia, podem ser facilmente evitadas com o uso de preservativos, por isso encorajamos novos casais a fazer sexo seguro para que, no futuro, quando quiserem 'engravidar' e ter filhos, não encontrar qualquer tipo de obstáculo.

Vicente Badajoz, coordenador do laboratório da clínica de reprodução assistida Ginefiv.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Doenças sexualmente transmissíveis que podem afetar a fertilidade de um casal, na categoria de problemas de fertilidade no local.

Vídeo: DSTs - DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Evitar é melhor (Outubro 2020).