Lactância Materna

Principais problemas de sucção do bebê na amamentação


O sucesso da amamentação sempre requer três aspectos: confiança da mãe, boa hidratação e, o mais importante, sucção adequada do bebê. Mas acontece que problemas de sucção de bebê Elas incluem muitas causas, portanto, é importante que, antes de parar de amamentar seu filho, você saiba quais problemas você pode encontrar para encontrar a melhor solução.

Junte-se a mim neste artigo que o ajudará a conhecer os diferentes motivos que podem gerar dificuldades na sucção do bebê quando ele é colocado ao seio de sua mãe.

1. Causas anatômicas
São aquelas em que o bebê apresenta algum tipo de malformação na boca ou maxila, por exemplo, retrognatia, anquiloglossia, palato e lábio leporino.

o retrognatia é caracterizada por uma deformidade facial em que a mandíbula inferior é menor, sendo vista mais atrás da mandíbula superior; pode fazer parte de síndromes genéticas, mas também pode ser vista isoladamente. Geralmente pode desaparecer com o tempo, portanto, agarrar e chupar podem ficar comprometidos e o bebê tende a engasgar com mais frequência. Pode-se optar pela posição com cavalinho que permite um melhor acoplamento ao seio materno.

o anquiloglossia é o termo médico usado para se referir ao frênulo lingual curto. Refere-se à língua 'amarrada', por isso ela permanece presa ao assoalho da boca, impossibilitando o bebê de sugar adequadamente.

Geralmente, o pediatra percebe que a criança tem um frênulo lingual porque a mãe manifesta dores e fissuras ou fissuras nos mamilos e, ao observar a boca do bebê, fica evidente a presença dos mesmos (o bebê suga inadequadamente e muitas vezes não consegue encher completamente porque a saída adequada do leite é impossível).

A dor nas mamas da mãe ocorre porque o bebê tem movimentos limitados da língua, que está presa, porém, há bebês que têm frênulo lingual e isso não causa desconforto à mãe nem problemas na amamentação.

Se seu bebê tem um frênulo lingual e está ocorrendo um problema de preensão, é necessário avaliá-lo com um odontopediatra ou cirurgião para seccionar o frênulo. O procedimento é chamado de frenetomia, mas você deve consultar um conselheiro de amamentação antes de fazer isso.

Fissura labial e palatina É um defeito de nascença, no qual há uma abertura no lábio superior ou no palato (ou ambos), que interfere não só na alimentação, mas também na linguagem da criança.

Nesse caso, a amamentação é possível, só que o bebê deve exercer uma pressão maior sobre o seio materno para sugar bem e isso pode causar algum desconforto à mãe. É preciso ter muita paciência até chegar à posição ideal e aqui as posições e regras habituais da amamentação não são seguidas. É apenas a posição em que você e seu bebê se sentem bem que vai funcionar.

Uma das posições que geralmente podem te ajudar é o futebol. Nele, o bebê fica na posição vertical e o leite pode fluir facilmente para a garganta. Nos casos de lábio leporino, o bebê pode pegar na mama; No caso de fissura labiopalatina, o ideal é que, se a mama não estiver pega, dê leite materno ordenhado com um copo ou xícara e colher de chá.

Macroglossia ou bebê com um tamanho de língua maior do que o normal. É mais visto em crianças com síndrome de Down, em que a língua fica saliente, ou seja, tiram muito da boca, o que dificulta um pouco a amamentação.

2. Causas funcionais
São situações que ocorrem no momento do nascimento da criança. Algumas das mais comuns são hipotonia ou hipertonia, mas existem mais.

Hipotoniarefere-se à diminuição do tônus ​​muscular, que se traduz em fraqueza nos músculos. A hipotonia muscular pode ser observada em crianças com síndrome de Down, bebês prematuros, algumas síndromes genéticas, asfixia perinatal, paralisia cerebral e até bebês a termo.

Nem todos os bebês com hipotonia são afetados pela amamentação, mas geralmente podem ter uma sucção fraca. A posição correta para a amamentação depende da mãe e do bebê, mas recomendo que o corpo seja apoiado adequadamente para tentar apoiar a cabeça e o pescoço. Outra dica: extraia um pouco de leite para facilitar a sucção e estimulá-lo. Se notar que está difícil sugar, pode oferecer o leite em um copo ou copo e colher até que a hipotonia melhore à medida que ele envelhece e ele mesmo pode fazer isso.

E o oposto da hipotonia é o hipertonia. É caracterizada pelo aumento do tônus ​​muscular, portanto o bebê tende a ficar com a musculatura contraída, o que pode interferir na sucção devido à maior pressão exercida sobre a musculatura orofacial.

No caso de bebês prematuros, por sua própria imaturidade, a sucção não está totalmente desenvolvida. Os conselheiros de amamentação recomendam um método denominado seringa digital, em que o leite materno ordenhado é administrado com uma seringa (isolada ou conectada a um tubo) ao mesmo tempo que o dedo mínimo da mãe é inserido na boca do bebê. previamente lavado. Este método estimula a sucção até que esteja totalmente estabelecida, pois o bebê adquire habilidades motoras no nível oral para fazê-la sozinho.

Atraso na primeira hora. O ideal é que haja contato pele a pele com o bebê no nascimento, pois a amamentação é facilitada. A primeira hora de vida é fundamental para o bebê, já que se dá a chamada impressão, que nada mais é do que o 'selo' que ocorre em sua boca e palato pela primeira vez quando em contato com a mama.

3. Traumático
São ministrados por meio da utilização de instrumentos durante o parto ou cesárea, por exemplo, fórceps ou algum trauma que o bebê tenha sofrido durante o parto, que podem comprometer sua integridade e gerar dificuldade na sucção.

4. Outros:
O mais comum é síndrome de confusão de tetas. Isso se deve ao uso de mamadeira, chupeta ou protetor de bico durante a amamentação, o que dificulta a amamentação, já que a posição da língua e da boca do bebê é diferente em relação ao seio.

Geralmente acontece, como já dissemos, naqueles bebês que recebem alimentação mista (isto é, leite materno e fórmula infantil) ou naqueles cujas mães dão mamadeira à noite para enchê-los. Se for o seu caso, é preciso ter paciência, pois para resolver essa situação é necessário implantar a chamada relactância, e o tempo varia de um bebê para outro.

Outra situação pode ser o uso de anestesia geral em cesáreas de emergência, que pode afetar o estado de alerta do bebê e causar sonolência (muito sono). Isso torna a sucção menos vigorosa no início e sua mãe não está totalmente ativa ou acordada para poder amamentar. Isso não acontece em todos os casos, ou seja, às vezes o bebê nasce vigoroso e não interfere na sucção.

Em qualquer caso, é necessário que busque a ajuda de um especialista em amamentação, que se encarregará de avaliar cada caso em particular e dar a ajuda necessária para que você tenha sucesso na amamentação.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Principais problemas de sucção do bebê na amamentação, na categoria Amamentação Presencial.

Vídeo: PEGA INCORRETA DO BEBÊ NA AMAMENTAÇÃO - MACETES DE MÃE (Outubro 2020).