Novas tecnologias

Acabar com a violência virtual de gênero em crianças e adolescentes


Você sabia que uma das formas mais difundidas de violência de gênero entre os adolescentes é o controle do parceiro por meio do celular e das redes sociais? É o que é conhecido como violência virtual de gênero E é importante que você converse com seus filhos para que eles identifiquem as diferentes situações de limitação de sua intimidade pelo parceiro, para que, caso vivam alguma delas, possam pôr fim a isso.

O importante é que eles não normalizem essa forma de violência virtual e que estejam cientes e impedidos de não permitir que sua liberdade seja restringida por meio da internet e de mensagens móveis.

Ninguém tem o direito de ler suas conversas do WhatsApp
Se o seu parceiro lhe disser para deixá-lo entrar no WhatsApp ou em qualquer outro programa de mensagens instantâneas com a desculpa de que não há nada a esconder entre eles, seu filho ou filha deve recusar, aludindo que as pessoas que escreveram para ele têm o direito de sua privacidade e escreveram para você pensando que apenas ele ou ela iria ler.

Espiar o conteúdo do celular de outra pessoa é crime
Se o seu parceiro roubar o celular do seu filho ou filha quando ele não estiver presente, ou espionar o celular dele por meio de aplicativos específicos, diga que a pessoa que está fazendo isso está cometendo crime de descoberta e divulgação de segredos tipificado no artigo 197 de nossa Código Penal. A questão é séria e o fato pode ser denunciado.

Nunca forneça o código de acesso ao seu celular
O artigo 18.3 da Constituição Espanhola diz: 'É garantido o sigilo das comunicações e, especialmente, das mensagens postais, telegráficas e telefônicas, a menos que seja proferida uma decisão judicial'. Desta forma, o conteúdo do celular de uma pessoa é protegido pelo sigilo das comunicações e ninguém pode ser forçado a fornecer o código de desbloqueio.

Eles não devem permitir que ninguém entre em sua conta de e-mail
Algumas pessoas pensam que têm o poder de olhar para tudo o que o parceiro recebe, porque os parceiros não devem ter segredos. Explique que as comunicações que outra pessoa mantém por e-mail são privadas e que ninguém deve ler a correspondência de terceiros por motivos éticos e que, se o fizer, estará cometendo uma violação do sigilo da correspondência.

Seu parceiro não deve verificar ou controlar novos amigos ou 'curtidas'
Em alguns casais, as redes sociais são objeto de discussões contínuas. Quando alguém do sexo oposto segue um dos dois, faz comentários ou 'gosto de você', o outro membro do casal não deve se incomodar com isso, nem recriminar nada para o outro, guiado ou guiado pelo ciúme. É normal que vocês dois tenham amigos de ambos os sexos.

Ninguém deve exigir o local ou fazer uma videochamada com o parceiro para controlá-lopara
Uma forma de controle virtual é pedir a um dos membros do casal que envie a localização ao outro a fim de verificar se ele está realmente no site que ele diz, por exemplo, para verificar se ele está em casa e não saiu. Outra forma é forçá-lo a fazer uma videochamada para confirmar que o que ele diz é verdade. Todas essas solicitações limitam a liberdade pessoal. Os relacionamentos devem ser baseados na confiança. Não há necessidade de pedir provas. Essa forma de agir só leva a um relacionamento tóxico e doentio.

Ninguém deve censurar as fotos que seu parceiro publica nas redes sociais
Ninguém tem o direito de supervisionar o que seu parceiro deve ou não postar nas redes sociais. Se você fizer isso, estará interferindo em suas decisões e em sua liberdade. Ninguém deve se ofender com uma foto.

Não para controlar comentários
- Você me deixou na fila! ou 'Você está online há 10 minutos e não me responde' são comentários que podem se tornar uma forma de controle do casal. Ficar irritado por não receber uma resposta imediata nas mensagens instantâneas também é uma reação comum entre os adolescentes. Ensine seus filhos a serem pacientes e a pensar que em uma comunicação remota sempre há circunstâncias que não conhecemos, como a outra pessoa estar ocupada, encontrar alguém ou ter uma tarefa para resolver repentinamente.

Você não pode forçar o casal a enviar imagens íntimas
Envolver o casal para enviar fotos íntimas via WhatsApp ou qualquer outro meio não é uma boa ideia. Uma vez enviadas, o controle dessas imagens será perdido. Às vezes, houve casos em que, depois de terminar um relacionamento, a pessoa que tem as fotos pode divulgá-las por vingança.

O parceiro não deve ser forçado a mostrar a conversa com outra pessoa
Como já apontamos em um ponto anterior, obrigar a dar aula em um chat ou enviar screenshots de uma conversa por desconfiança é uma forma de violência virtual de gênero e é considerada crime de descoberta e divulgação de segredos.

Em última análise, devemos ensinar nossos filhos e filhas a respeitar a privacidade dos outros e saber que o conteúdo de suas comunicações é privado. Além disso, devemos falar sobre a importância da confiança e do respeito para manter relacionamentos equilibrados e saudáveis.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Acabar com a violência virtual de gênero em crianças e adolescentes, na categoria Novas Tecnologias no site.

Vídeo: Risco de Suicídio: É possível prevenir e tratar (Outubro 2020).