Distúrbios alimentares

A criança não quer comer


Os bebês comem em relação ao seu tamanho, muito mais do que os adultos. Por esse motivo, no processo de se tornarem adultos, mais cedo ou mais tarde, eles começam a comer menos.

O motivo dessa mudança por volta do primeiro ano de vida é a diminuição da taxa de crescimento. Algumas crianças param de comer aos nove meses e outras esperam até um ano e meio a dois anos. Durante o primeiro ano, os bebês engordam e crescem mais rápido do que em qualquer outra época da vida extrauterina.

Durante o segundo ano, no entanto, o crescimento é muito mais lento: cerca de 9 cm de altura e alguns quilos. Pelos cálculos dos especialistas, as crianças de um ano e meio comem um pouco mais que as de nove meses e os pais, que não são informados desse fato, acham que se com um ano seu bebê comer tanto, com dois comerão o dobro . O resultado é um conflito inevitável e violento entre os pais e a criança.

Muitas crianças começam a comer mais por volta dos cinco ou sete anos, quando seu tamanho corporal aumenta. No entanto, a quantidade de comida de que cada pessoa necessita varia muito, e algumas crianças comem muito mais ou menos do que seus colegas da mesma idade e tamanho.

Por outro lado, as expectativas dos pais também podem ser muito diferentes e enquanto algumas mães ficariam satisfeitas com o filho terminar o prato de espaguete, outras esperam que depois do espaguete comam também um bife com batatas, uma maçã e uma iogurte. Por este motivo, é importante respeitar a sabedoria natural das crianças versus suas necessidades fisiológicas.

A fome, que é a demanda normal por comida, é diferente do apetite que é o desejo normal de satisfazer o sabor. O comportamento alimentar dos filhos necessita de orientação desde pequenos e ninguém melhor do que a mãe ou o pai para avaliar este fato de grande importância no crescimento físico e emocional do filho.

Os pais podem fazer muito para educar adequadamente seus filhos em seus hábitos alimentares, na maneira como se alimentam, na maneira como exigem alimentos e em sua percepção dos alimentos.

1. Crie uma atmosfera agradável. A hora das refeições deve ser agradável e necessária para a criança. Evite que a comida fique condicionada a castigo, se o prato não acabar.

2. Mude sua percepção da quantidade de comida. Sirva ao seu filho a quantidade de comida de que ele precisa com base na idade dele no prato maior. Desta forma, você notará que há uma pequena quantidade de comida no seu prato.

3. Promova sua autonomia. Pode motivá-lo a pôr a mesa, deixá-lo se servir e decidir e ter autonomia sobre seus gostos alimentares.

4. Ensine-o a comer em família. Sempre que puder, permita que ele coma em família para que se apropria dos hábitos alimentares dos adultos, assimilando o comportamento e os modelos da família.

5. Promove uma alimentação balanceada. Permitir que ele escolha seu menu pode influenciar o sucesso ou o fracasso de sua alimentação. O sucesso significa que a criança deve experimentar uma variedade de alimentos saudáveis ​​para acostumar seu paladar a sabores diferentes.

6. Evite indulgências e iguarias. A hora da refeição tem um lugar, hora e fim claros e necessários.

7. Ofereça apenas o que ele precisa. Não espere que a criança coma a mesma quantidade de comida que você. Deixe-o decidir e comer a quantidade de alimentos de que precisa para saciar sua fome e desenvolver seus sabores de forma saudável.

Cada criança é diferente e única na sua forma de ser e também de comer. De acordo com um estudo conduzido pela Universidade da Califórnia, mais de 80% dos pais e responsáveis ​​forçam as crianças a comer. Portanto, nos dá motivos para não forçando as crianças a comerem tudo:

1. Forçar uma criança a terminar a comida que é colocada em seu prato a está forçando a comer mais do que precisa. É aconselhável ouvi-los e respeitar seus gostos e decisões.

2. Forçar a criança a comer de tudo é fazer da hora das refeições uma tortura diária. Cada vez que a criança vem à mesa com menos vontade e os pais com menos paciência.

3. Ao forçar a criança a comer, ele lhe dá a compreensão de que é normal que outra pessoa tome decisões sobre seu corpo e suas necessidades.

4. A autonomia da criança também está sendo restringida, reprimindo-a.

5. A obrigação de comer favorece o sobrepeso e a obesidade na infância.

Você pode ler mais artigos semelhantes a A criança não quer comer, na categoria Transtornos Alimentares no local.

Vídeo: Luiz Antonio - A argumentação para não comer polvo (Outubro 2020).